Recife, quarta-feira, 03 de junho de 2020
   O Sindicato   
   Legislação   
   Cursos e Eventos   
   Publicações   
   Convênios   
   Filie-se On-line   
    Fale Conosco   


Privatização da saúde aumentou falta de leitos
Mesmo sabendo que o Coronavírus se es ...
Governos querem congelar salários de servidores
Depois dos trabalhadores formais fica ...
  Artigos e Entrevistas | publicado dia 22/05/2020 às 14:57

CLIQUE PARA AMPLIAR

Depois dos trabalhadores formais ficarem sem salário e milhões de informais sem o auxílio emergencial, a bola da vez do governo fascista são os servidores públicos. Em reunião realizada dia (21) entre Jair Bolsonaro e os 27 governadores, o Governo Federal pediu apoio para aprovar o congelamento por 18 meses dos salários dos servidores públicos de todas as esferas. Em troca haverá o envio de ajuda financeira aos estados.

Não bastasse milhares de servidores públicos da saúde, da educação e de outros setores essenciais se arriscarem diariamente no combate ao coronavírus, o governo agora quer congelar o salário de todos. O argumento é o de sempre: “todos têm que dar sua contribuição para que o Estado possa combater a pandemia”.

O curioso é que só o povo é que deve “contribuir” nessa crise. De fato, o governo Bolsonaro não adotou nenhuma medida em quase 3 meses de pandemia para cobrar dos banqueiros e dos ricos sua contribuição para a crise. Ao contrário disso, a primeira medida de Bolsonaro no começo da quarentena foi dar de bandeja 1,2 trilhão de reais aos bancos.

A lei de Bolsonaro é muito simples: aos bancos tudo, ao povo nada. A mídia burguesa, por sua vez, faz seu papel tradicional de porta-voz das elites. Todos os editoriais dos principais jornais pedem não só o congelamento, mas até mesmo o corte dos salários. Mas como podem pensar em corte e congelamento de salário de quem está na linha de frente da pandemia?

Os mais afetados serão trabalhadores na linha de frente da pandemia

A ampla maioria dos servidores públicos são trabalhadores simples, que ganham muito mal e trabalham em péssimas condições. São profissionais da saúde, que hoje estão trabalhando para diminuir o máximo que podem o colapso do SUS; são professores, cientistas e pesquisadores, que estão nas universidades públicas virando noites para encontrar soluções para a pandemia; são assistentes sociais, que estão nas favelas e bairros pobres tentando dar o mínimo de assistência ao povo; são trabalhadores da limpeza urbana, que têm sido fundamentais para que a pandemia não se espalhe e também não ocorram surtos de outras doenças ao mesmo tempo.

Essas são as pessoas que o governo acha que não “contribuíram” o suficientemente com a luta contra a crise. Agora, terão seus salários congelados. A revista Piauí apontou que em 2018 metade dos servidores públicos ganhava menos de 3 mil reais. 

A casta que nunca é atingida por essas medidas é aquela que Bolsonaro e governadores não ousam tocar: juízes, procuradores, altos funcionários públicos e o oficialato militar. Esses nunca fizeram nada para resolver crise alguma em nosso país. 

Mais uma vez os governos burgueses mostram a quem eles servem. Para eles o importante é que os ricos não paguem pela crise, mesmo que para isso milhares de pessoas que estão na linha de frente da luta contra o coronavírus sejam sacrificados.

Por Felipe Annunziata
Rio de Janeiro
Edição: Emanuelle Rodrigues
 
 
No dia 17 de fevereiro foi realizado um ato conjunto dos enfermeiros e demais servidores de Recife com o objetivo de forçar a abertura da mesa de negociação.
 
Participação na Live da Aben PE, com representação da nossa Diretora Ludmila Outtes
 
Copyright © 2008 - 2020 - SINDICATO DOS ENFERMEIROS
NO ESTADO DE PERNAMBUCO - SEEPE
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Rua Treze de Maio, nº 292 - Santo Amaro - CEP:50100-160
Horário de funcionamento: Segunda a sexta: 8h às 17h.
Telefone: (81)3040-4457
Filiado à:
Parceiros:
| Cofen | Aben | Aben-PE | Portal FNE | CNS | CES | Portal da Saúde | Blog da Saúde | Movimento Luta de Classes | Coren PE |
SEEPE nas redes sociais: